Cabo Wilson defende direitos humanos aos PMs em entrevista ao jornal Diário de S. Paulo

O jornal Diário de S. Paulo, do dia 8 de fevereiro, publicou matéria com críticas ao relatório divulgado pela ONG Human Rights Watch que apontou aumento de mortes de civis em confrontos com policiais e desrespeito a direitos humanos.

O presidente da Associação dos Cabos e Soldados, Cabo Wilson Morais, defendeu direitos humanos aos policiais e apontou a ausência de entidades nos enterros de PMs assassinados. Wilson criticou também os baixos salários pagos pelo governo estadual e a demora no pagamento de indenizações aos familiares dos policiais.

O comandante geral da PM, coronel Ricardo Gambaroni, também contestou os resultados do estudo e justificou o crescimento das mortes pelo aumento do número de confrontos.

Leia a matéria completa do Diário de S. Paulo.

Sobre o relatório da ONG
No dia 29 de janeiro de 2015, a entidade Human Rights Watch (HRW) divulgou relatório que classifica a tortura como um “problema crônico” nas forças de segurança e centros de detenção do país e critica, especialmente, agentes de São Paulo e Rio de Janeiro por uso excessivo de força letal.

Segundo a ONG, nos primeiros nove meses de 2014, a polícia do Estado do Rio de Janeiro matou 436 pessoas – em São Paulo, foram 505 mortes registradas em incidentes policiais no mesmo período. São Paulo fechou o ano com 728 mortes em confrontos entre policiais e suspeitos, o que representa aumento de 97% em SP no ano.

Fonte: g1.globo.com

Artigos relacionados